quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Diabetes: Uma doença que tem História!


As primeiras notações a respeito da doença datam da era egípcia: existem relatos com suspeita de diabetes gestacional entre os Hebreus e no papiro de Ebers já se descrevem sintomas que parecem corresponder ao diabetes (que ainda não possuía este nome).

Por volta de 70 d.C., Areteu da Capadócia, na Grécia, descreveu os quatro grandes sintomas do Diabetes: poliúria (muita urina), polidipsia (muita sede), polifagia (muita fome) e poliastenia (fraqueza). E denominou tal doença com o nome que tem hoje, pois assimilou o fato de entrar e sair muita água ao comportamento de um sifão, no grego - diabetes, no português. Além de Areteu, Galeno também se referiu ao diabetes pela incapacidade dos rins de reter água como o devido.

Desde então, a história do diabetes seguiu um pouco parada; para, em 1670, o médico Thomas Willis descrever o sabor adoçicado da urina dos portadores da doença e atribuir o nome de Diabetes Mellitus (oriundo do latim: mel). Entretanto, a causa de tal doçura só veio a ser descoberta em 1815 pelo Dr. M. Chevreul, que demonstrou que a presença da glicose que atribuía tal sabor. A partir daí, os pacientes com suspeita da doença tinham sua urina provada pelos médicos. Contudo, entre essas conclusões, houve um intervalo em 1775 em que Frank classificou a doença em Mellitus e Insípidus (sem a presença de urina adocicada).

Posteriormente, em 1889, dois cientistas alemães, Von Mering e Minkowski, descobriram que o pâncreas produz uma substância, ou hormônio, capaz de controlar o açúcar no sangue e evitar os sintomas do diabetes. Todavia, o termo "Hormônio" só viria a surgir mais tarde, em meados do séc. XX.


..........................................................................Best e Banting

Em 1921, no Canadá, Frederick Banting e Charles Best descobrem a insulina e, pouco tempo depois (em 1922), aplicam-na no tratamento de diabetes.

Em 1955, é descoberto o primeiro medicamento oral para a diabetes mellitus, em 1966, é realizado o primeiro transplante de pâncreas com a finalidade de tratar o diabetes mellitus tipo 1. E, em 2004, é realizado o primeiro transplante de ilhotas de Langerhans para curar diabetes do tipo 1.

E a cada ano, novas descobertas surgem, como o tratamento por meio de células-tronco testado e aprovado em 2007. Assim, seguimos em busca da cura de tal doença, mas enquanto ela não é alcançada, nos contentamos com a melhoria na qualidade e na expectativa de vida dos portadores da doença.




Referências:
http://www.diabetes.etc.br/historia-descobrimento-diabetes-mellitus
http://www.diabetes.org.br/mais-informacoes/1012-descoberta-da-insulina
http://2.bp.blogspot.com/_Rjv7aaA-Fbc/Sqj6ykjxQXI/AAAAAAAAALY/HT6rgoL-5w4/s320/Aretaeus.jpg

Nenhum comentário:

Postar um comentário